quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

UM POEMA DE GISELDA MEDEIROS - CANÇÃO DA ENTREGA



CANÇÃO DA ENTREGA


                             Deixa-me assim,
                            pequenina entre teus braços,
                            nesta paz de pedras adormecidas
                            a esperar as águas que virão
                            do teu mar.
                            Quero esta paz imensa de madrugada
                            que faz tremer meu verso,
                            mais nada.

                            Depois, o extremo...
                            Quero o fremir, o grito
                            que acenderá as luzes de poemas,
                            lírios despetalados.
                            Abrir-te-ei minha alma
                             - a corola -
                            e nela pousarás qual afoito colibri
                            na rosa
                            ao sopro da canção que te escrevi.
                            Aí seremos água e fonte

                            e asas riscando os horizontes.

(do livro "Tempo das Esperas")

Nenhum comentário:

Postar um comentário