domingo, 5 de setembro de 2010

Histórias C7S - Ex-alunos



UM VATICÍNIO COMPROVADO

Giselda Medeiros

Àquela época, eu cursava no, então, Ginásio 7 de Setembro, o curso de admissão.
Era aquele um dia especial. A turma toda aguardava (alguns apreensivos, outros despreocupados) a entrada triunfal do Dr. Edilson Brasil Soárez.

Aula de Matemática. Professor Nertan. Assoma à porta da sala, com seu costumeiro gesto de rodar levemente a cabeça, o Diretor. Numa atitude cavalheiresca, pede licença ao professor. Abraçando, como que carinhosamente o enorme livro preto que sempre conduzia, aproxima-se da mesa. Faz a preleção costumeira aos alunos. Em seguida, inicia a entrega das redações. Ah, aquele era um momento muito aguardado! A curiosidade por saber a nota e, principalmente, receber das mãos do Diretor e ganhar dele qualquer elogio era um céu para nós, alunos.

E ele ia distribuindo, uma a uma, pelo número e pelo nome (sim, porque ele fazia questão de chamar seus alunos pelo nome).

Eu, timidamente, aguardava a minha vez de ser chamada. Os nomes iam-se sucedendo, e o meu não era chamado. Eu já suava frio e me debatia em angústias: tirei uma nota ruim – dizia baixinho para mim mesma.

Espichei o olhar para o livro preto e vi que havia, ainda, uma redação. E era a que ele pegava naquele momento. Tremi: só pode ter sido a pior da classe!

Foi quando ouvi o Diretor: “Número 1388, Giselda”. Levantei-me, entre assustada e ansiosa. Ele continuou: “Após a aula, vá ao meu gabinete”. E não me entregou a redação.

Não prestei mais atenção à aula que continuara. Mil pensamentos me rondavam, insistentemente. Nunca tirara nota abaixo da média. Seria aquela a primeira?

Ao término da aula, apanhei minha bolsa e saí rumo à Diretoria. O caminho, que era curto, pareceu-me uma eternidade.

Entrei e sentei-me timidamente, à sua frente. E qual não foi minha alegria quando vi estampar-se no rosto do Diretor um sorriso amigo e confiante. Relaxei. Ninguém abre um sorriso para dar notícia ruim. Foi quando ouvi elogios à minha redação.

Do que ele falou ficou em mim, forte e muito nítida, uma frase que me norteou vida afora e que me levou a me exercitar mais na leitura e na escrita.

Ainda hoje lembro-lhe o tom da voz e o olhar sorridente, não mais de um Diretor, mas de um pai, feliz, ante a vitória de um filho:

Um dia, você será escritora!

Um comentário:

  1. COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?
    O Fanzine Episódio Cultural é uma publicação bimestral sem fins lucrativos, distribuído na região sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Belo Horizonte e Salvador-BA. Para participar basta mandar um artigo: poema, um conto, matérias (esporte, arte, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, sinopses de livros e filmes, curiosidades, folclore, moda, saúde, esporte, artes cênicas, biografias, etc.) em Times Roman 12.
    Mande em anexo uma foto pessoal para que seja publicada juntamente com a matéria. Se desejar, você pode enviar uma imagem correspondente ao assunto abordado. Caso o artigo não seja de sua autoria, favor informar a fonte.
    PARA ENTRAR COM CARLOS (Editor)
    Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
    machadocultural@gmail.com

    ResponderExcluir